5 dicas de ouro para técnicos de segurança se destacarem na carreira

A profissão de técnico em segurança do trabalho pode ser bastante recompensadora em vários aspectos.

Primeiro, porque ser um TST é ter uma imensa importância no dia a dia de trabalho de qualquer empresa. 

Todas as instituições, independente dos seus portes, precisam de profissionais que saibam identificar riscos à saúde ocupacional dos trabalhadores, além de antecipar possíveis acidentes decorrentes das diferentes atividades por eles realizadas. 

É função também do TST observar, comunicar e fiscalizar todos os colaboradores sobre seus equipamentos de proteção individuais – EPIs. A diretoria também ouvirá dele – além da obrigatoriedade da distribuição dos EPIs – sobre os equipamentos de proteção coletiva – EPCs. Além disso, deve estar preparado para capacitar seus subordinados para prevenir problemas e agir em situações de perigo.

Com isso, o mercado está aberto e demandando profissionais técnicos e tecnólogos de segurança do trabalho que sigam todas as normas e leis vigentes para garantir a segurança dos trabalhadores e de transeuntes que frequentam uma empresa.

Além da grande demanda e do prestígio que é ser um profissional bastante valorizado por suas atividades, o salário também é um diferencial, podendo chegar a R$ 8.500,00 para um coordenador de segurança, por exemplo. 

Profissionais de segurança no trabalho
Profissionais em segurança do trabalho precisam estar sempre atentos aos dados que recebem diariamente

Com tudo isso envolvido, vêm também as grandes possibilidades de evoluir na carreira, começando como analista de segurança do trabalho e chegando a ser gerente na área. Mas para isso, é preciso se destacar da multidão que está correndo para aproveitar essas chances.

No texto a seguir, você irá conferir cinco dicas para garantir uma carreira de sucesso na segurança do trabalho das mais diversas organizações.

1. Compartilhe seu conhecimento todos os dias

É obrigatório ao profissional Técnico de Segurança do Trabalho conhecer todas as leis e normas que se aplicam à empresa que o contratou. Mas, se este conhecimento fica guardado somente para si, o cumprimento de todas as regras fica comprometido.

Isso se dá porque o profissional TST precisa contar com a colaboração de todos os funcionários de uma organização para garantir que as ações de segurança sejam respeitadas e contínuas.

Assim, uma excelente capacidade de comunicação é uma peça-chave no sucesso da carreira e deve ser aprimorada.

Comunicação técnico de segurança no trabalho
Comunicação e compartilhamento de conhecimento são decisivos para ter planos de prevenção de acidentes que realmente funcionem no dia a dia

É preciso, então, promover na sua empresa reuniões, minicursos, palestras, seminários, workshops, dentre outras atividades para engajar os colaboradores a identificarem e reportarem situações de risco de acidente a que são submetidos, máquinas que precisam de reparo, defeitos e irregularidades em seus EPIs e nos EPCs ou mudanças que possam provocar doenças ocupacionais ou incidentes.

A comunicação perfeita é aquela que chega aos funcionários de todos os setores e além deles, à diretoria. É preciso ser direto e firme ao repassar informações que só o profissional em segurança do trabalho tem acesso e que podem salvar a empresa de entrar em uma fria lá na frente.

2. Capacidade de se adaptar rapidamente às novas condições de trabalho

O técnico de segurança do trabalho terá oportunidades de trabalhar em empresas em diversos setores da sociedade. São alguns exemplos de onde este profissional pode atuar: construção civil, hospitais, mineradoras, escolas e universidades, call centers, fábricas, comércios de todos os portes e outras empresas privadas e estatais.

Cada setor será regido por suas próprias normas. Em um ambiente hospitalar, por exemplo, deverão ser seguidas, dentre outras, as normas abaixo:

  • NR 6 EPIs
  • NR 7 Exames médicos
  • NR 9 Riscos ambientais
  • NR 11 Transporte, movimentação, armazenagem e manuseio de materiais
  • NR 12 Máquinas e equipamentos
  • NR 15 Atividades e operações insalubres
  • NR 23 Proteção contra incêndios
  • NR 24 Condições sanitárias dos locais de trabalho
  • NR 26 Sinalização de segurança
  • NR 28 Fiscalização e penalidades
Regras NR
Para cada setor do mercado existem regras diferentes e todo o conhecimento restante deve ser reanalisado e atualizado, se necessário.

Para uma construção civil, algumas das normas acima poderão servir, mas outras específicas para a atividade surgirão e é aí que o TST tem que estar atento para se adaptar. Não dá para confiar somente nas mesmas leis, normas e diretrizes do trabalho anterior, é preciso pesquisar, estudar e, novamente, ouvir todo mundo na nova empresa.

Também se encaixa nesse quesito a inteligência emocional e a capacidade que ela traz de lidar com muitas pessoas com vivências e ideias diferentes.

Portanto, nunca é hora de estagnar e sim de se atualizar o máximo que puder.

3. Use da tecnologia para obter mais organização

Não tem como fugir, como técnico de segurança, você deverá ter boas noções de informática, afinal, planilhas vão estar esperando para serem criadas e preenchidas por você. Além delas, programas criados especificamente para a área exigirão desenvoltura para obter bons resultados no comando das suas equipes.

Cuidar da saúde das pessoas exige muita atenção e organização. A tecnologia é uma grande aliada nesses quesitos.

Imagine ter que depender somente de papéis ou não saber utilizar os programas ideias para te ajudar com tarefas como gestão de EPIs, medidas preventivas, relatórios, registros e prazos de evidências, índices da segurança do trabalho e financeiros, estabelecimentos de prioridades quanto a riscos, inspeções e manutenções, educação e treinamento dos funcionários, dentre outras funções.

Com certeza, a produtividade não será a desejada nem surpreenderá positivamente.

Não deixe para ser pego de surpresa, comece a treinar agora suas habilidades.

4. Não abandone o CIPA

Comissão Interna de Prevenção de Acidentes – CIPA é uma comissão constituída por colaboradores da empresa. Estes são escolhidos para ajudar na prevenção contra acidentes e doenças ocupacionais. Uma parte dos funcionários é selecionada pela própria equipe técnica e a outra parte por votação entre os interessados em participar.

De acordo com a NR 5, a criação da CIPA é obrigatória para empresas com mais de 50 funcionários.

Está aí uma oportunidade de ouro de ter vários olhos atentos a tudo que acontece. Afinal, essa é a função dos cipeiros. Porém, se abandonados à sua própria sorte e vontades, os cipeiros podem deixar de comparecer às reuniões, de se importar com a atenção devida, e viver pensando somente nos dois anos de estabilidade garantidos para quem exerce essa atividade.

É necessário estar sempre presente fazendo reuniões, perguntas individuais, pedido de sugestões, feedbacks e ensinamentos. É necessário encantar as pessoas que entraram nessa “aventura” e ao mesmo tempo demonstrar o quanto a atividade deles é séria e merece atenção diária.

Com isso, você, além de se tornar mais conhecido, se torna mais confiável e desenvolve sua capacidade de liderança.

Cipa
A CIPA deve ser sempre acompanhada de perto

5. Seja exemplo para sua equipe

Como supervisor, coordenador, gerente, ou mesmo ainda na função operacional como técnico, você será a pessoa que inspirará as outras a cumprir com seus deveres quanto à segurança e bem estar dos colegas.

Sem inspiração, o desânimo rapidamente toma conta das pessoas. Quando em grupo então, é um efeito dominó. Portanto, cuide de sua própria proteção e saúde com grande responsabilidade, demonstrando seu comprometimento e também empatia pelos outros funcionários. Seja proativo e deixe claro que está na empresa para ajudar a todos, independente da hierarquia dos cargos.

Não só de conhecimento básico vive bem sua carreira o técnico de segurança no trabalho. É preciso se atualizar sempre, tanto em questão das novas tendências na área, quanto na mudança constante de setores no ramo da gestão.

É também necessário prestar atenção à personalidade de cada colaborador para saber como melhor se comunicar com ele, exercitando, assim, o seu poder de liderança, como também a independência futura dos membros da equipe. Como consequência você terá mais tempo para se concentrar em realizar suas atividades.

Categorias

Mais visitados