5 hábitos que excelentes gerentes de manutenção não abrem mão

Ser gerente de manutenção é um objetivo comum às pessoas que querem um bom salário, um trabalho desafiador e um exercício constante dos seus talentos para liderança. 

Empresas que valorizam a organização proporcionada pela gestão financeira, de manutenção, pessoas ou projetos, por exemplo, sabem que ela pode trazer grandes benefícios econômicos. 

Assim, elas entendem que, tanto a curto quanto a longo prazo, podem contar com a ajuda deste profissional para manter tudo sob controle no seu funcionamento.    

Para ser um gerente de manutenção, porém, é preciso saber exatamente o que ele faz e o impacto que tudo isso tem no dia a dia das instituições. É também necessário ficar alerta às habilidades que precisarão ser acentuadas no seu currículo. Falamos sobre tudo isso a seguir.

O que faz um gerente de manutenção

O papel do gerente de manutenção é garantir que todos os recursos regulares da empresa estejam funcionando bem. Isso envolve supervisionar o funcionamento das máquinas, sistemas e instrumentos utilizados, além do trabalho de quem os utiliza.

O gestor tem que manter sempre atualizados e disponíveis todos os dados sobre as inspeções feitas ou por fazer. Assim, ele proporciona mais economia e segurança para a instituição. Economia porque impede desperdício de tempo e força de trabalho, gerando, portanto, mais produtividade. 

Podemos analisar um caso em que ele sabe, por exemplo, que diante de certas condições de temperatura, uma determinada máquina pode sofrer avarias mais frequentes e severas que em ambientes com temperaturas mais amenas. 

Se não for possível trocá-la de lugar, ela deverá ser inspecionada mais vezes do que outra do mesmo modelo que está em um local ideal.  Como ele sabe disso? Consultando um PCM (Planejamento de Controle e Manutenção) atualizado e individualizado.

O desafio não para por aí, pois, o equipamento a ser inspecionado é vital para a produção de um dia inteiro de mercadorias, além disso, fica em uma área de grande circulação de pessoas. O gestor terá que montar, junto a sua equipe e de acordo com as necessidades da companhia, um calendário seguro e que reduza ao mínimo ou zero qualquer tipo de prejuízo. 

Chegamos, então, a um ponto crítico que fará com que ele tenha, talvez, de lidar com alternativas para fornecedores de serviço em que ele sempre confiava.  Por isso, habilidades específicas são essenciais para o sucesso em uma carreira de gerente de manutenção.

5 qualidades que um gerente de manutenção deve ter para crescer na carreira

Pelo exemplo acima, vemos como é preciso ter “jogo de cintura” no cargo. Por isso, selecionamos habilidades fundamentais para se destacar positivamente nessa área.

1. Habilidades técnicas na gestão de manutenção

O gerenciamento de manutenção existe para aumentar a produtividade de uma empresa e diminuir seus desperdícios, trazendo, assim, inegáveis benefícios econômicos. 

O gestor terá que saber do que são constituídos esses desperdícios que podem se manifestar na separação de ferramentas, deslocamento de equipamentos, interrupção de atividades e excesso ou falta de mão de obra ou ociosidade, por exemplo.  

Também deverá conhecer e saber implementar processos de manutenção, normas e leis vigentes da área de atuação, procedimentos de segurança e habilidades interpessoais. Por falar nelas, trazemos mais detalhes nas próximas dicas. 

2.Excelente gerenciamento de tempo

O trabalho de um gestor sempre será intenso, pois, além de lidar com suas próprias tarefas, deverá monitorar o que é feito por cada pessoa em uma equipe sob seu comando. Com uma gestão de tempo bem feita, ele conseguirá antecipar problemas e soluções, o que evitará momentos de dúvida e ociosidade.

Gerenciamento de tempo
Gerenciar o tempo de maneira correta traz benefícios sensacionais para um gerente de manutenção

Afinal, o fator mais importante a ser considerado no gerenciamento de tempo em exercício na empresa é a produtividade. O que puder ser feito para melhorá-la, sempre será bem-vindo.

A imagem a seguir demonstra uma ferramenta bastante reconhecida e eficaz para potencializá-la: a Matriz de Eisenhower.

Matriz de Eisenhower.
A Matriz de Eisehower é um conceito utilizado para categorizar atividades que precisam ser feitas de acordo com dois critérios: urgência e importância.

3. Liderança pelo exemplo

Para ser produtiva, uma equipe tem que estar motivada e cabe ao seu líder a função de trazer essa motivação. Para isso, é preciso gerar inspiração através do seu próprio exemplo de comportamento, saber reconhecer e recompensar a dedicação dos seus colaboradores e orientá-los quanto a métodos eficazes para tomar as decisões certas.

Existem vários tipos de liderança que um gerente de manutenção pode adotar, dentre eles:

  • Liderança democrática: possui foco no líder e no liderado. Deixa com que seus liderados sejam parte das tomadas de decisões e os escuta sem censura e julgamentos. É focada no bem-estar e crescimento profissional destes, para que se sintam mais à vontade para colaborar.
  • Liderança coaching: com ênfase na performance, o foco aqui é liberar todo o potencial dos liderados promovendo o autoconhecimento, autoestima, desenvolvimento e valorização de seus pontos fortes.
  • Liderança situacional: o líder está focado nas situações e nível de maturidade de cada pessoa sob seu comando, se adaptando a cada uma delas.

Dessa forma, ele consegue trazer soluções de produtividade que mais podem trazer benefícios individuais e, assim, para a grupo. Dependendo dos níveis de competência e empenho, irá escolher entre orientar e/ou estimular o liderado na execução de alguma tarefa.

4.Grande capacidade de comunicação

Gerir uma equipe para que seus colaboradores se comuniquem bem, independente de quais setores pertencem. Essa é uma característica essencial para o gerente de manutenção, pois ele vai depender de informações precisas e constantes dos seus liderados sobre o estado das máquinas que eles estão usando ou visualizando sempre.

Também é importante lembrar que após reuniões e treinamentos necessitará que a informação seja aplicada corretamente nas tarefas, e, para isso, precisa saber transmitir bem seus conhecimentos.

É fundamental ainda expressar com sabedoria e convicção ao dono da empresa quais medidas precisam ser tomadas para melhorar a eficiência, ou realizar alguma correção.

Não menos importante do que o que foi citado acima se encontra a negociação com os fornecedores.  Prazos, orçamentos, tipos de serviços, produtos adequados e garantias estarão sempre em discussão no seu dia a dia.

5. Inteligência emocional

Conhecer, aprender a controlar suas emoções e usá-las ao seu favor são algumas das habilidades de quem possui inteligência emocional. O gestor, por lidar com muitas tarefas suas e secundárias durante o dia, pode vir a sofrer com um alto nível de estresse.

O estresse de um gerente pode vir a afetar outros profissionais, ou até setores inteiros de uma empresa, uma vez que ele está ali não somente para demandar, mas para inspirar atitudes. Uma vez desanimado, estressado, com sentimentos de raiva e frustração, poderá passar essas emoções para os colaboradores e, então, levar a queda na produtividade e perdas econômicas.

É necessário o autoconhecimento para evitar se deixar levar por situações que tragam sensações ruins. Também é preciso entender que os outros colaboradores possuem rotinas diferentes, passam por momentos difíceis em casa ou no trabalho e gostam de ser tratados com empatia e respeito, tendo suas aflições e considerações acolhidas. Assim, fica mais fácil manter a tranquilidade ao ouvir mais o outro do que julgar imediatamente suas ações, levando a menos preocupações por ambas as partes.

 

Categorias

Mais visitados